Fire by Trevor Hurlbut CC BY 2.0

O Fogo e a Morte: A Cremação Como Prática Funerária Ritual, Simpósio de Arqueologia das Práticas Rituais, SAB 2015

O Congresso da Sociedade de Arqueologia Brasileira (SAB) realizou a XVIII edição na cidade de Goiânia em setembro 2015. Arqueologia para quem? foi o tema do evento. O objetivo era convidar os participantes a refletir sobre a relação entre a arqueologia e os públicos, e a discutir sobre caminhos mais eficazes na troca do conhecimento arqueológico com a sociedade, além de debater sobre o papel social do arqueólogo e o fim social da arqueologia. Uma questão muito pertinente sempre, mas em especial ao refletirmos sobre como nos comunicamos e publicamos a pesquisa acadêmica, especialmente em tempos de grande interação nas redes sociais como nos últimos 10 anos e de rápidas mudanças e incorporações tecnológicas na arqueologia.

Quando penso sobre como poderíamos melhorar a forma com que nos comunicamos com a sociedade e interessados na temática da arqueologia sempre me vem à cabeça a linguagem e os jargões utilizados na academia. Como arqueóloga acredito que poderíamos nos comunicar de maneira mais acessível, falando sobre a pesquisa de modo compreensível e atraente a qualquer pessoa.

Também em busca de responder a essa reflexão encontrei no blog um caminho acessível para trocar e compartilhar o que venho aprendendo na minha vida acadêmica. Nos últimos seis meses passei a escrever blog posts não apenas para as universidades e projetos em que estou envolvida, mas também para o meu pequeno projeto – Ossos, Enterros e Café Preto (Bones, Burials and Black coffee) um blog pessoal que tem a pretensão de ser bilíngue (português, porque é a minha língua materna e inglês por ser uma língua franca nos dias atuais) onde escrevo sobre tópicos que me interessam e sobre a minha pesquisa de maneira mais informal, com o objetivo de tornar o conteúdo acessível a quem tiver interesse.

E o post de hoje é sobre a apresentação que fiz em 2015 no congresso da SAB no simpósio – Arqueologia das Práticas Rituais – organizado pelas professoras Cristiana Barreto e Daniela Klökler. O simpósio foi muito produtivo. As apresentações foram de alta qualidade e discutiram sobre uma série de tópicos que incluíram aspectos das práticas funerárias, objetos rituais, festins, entre outros em sítios arqueológicos Sambaquis, na Amazônia, no Amapá e Jê do Sul. Além de tópicos que falaram sobre sentidos e memórias. Foi também uma oportunidade muito boa para rever amigos e para conhecer pessoalmente um grupo de pesquisadores cujo o trabalho eu gosto muito e acompanho já há alguns anos.

O Fogo e a Morte: a cremação como prática funerária ritual foi o tópico da minha apresentação, onde discuti sobre a ritualização das práticas funerárias desenvolvidas nas terras altas do sul do Brasil, a partir de 1000 anos depois do presente até o período de contato. O artigo completo do simpósio foi publicado há poucos dias e esta disponível  aqui. O trabalho compõe o volume 14, N. 1 de 2016 da revista Habitus que conta com outras apresentações do simpósio.

Fire por Trevor Hurlbut licenciado sob CC BY 2.0

Fogo (by Trevor Hurlbut licenced CC BY 2.0)

Para esse post escolhi três partes relevantes do artigo. Acredito que esses tópicos ajudam a demonstrar a importância da cremação enquanto prática funerária para as sociedades ameríndias e Jê meridional.

1. Os remanescentes humanos cremados são importantes fontes de informação para a interpretação do passado e requerem uma metodologia adequada para o seu estudo.

ag2015_c5_faceedit

Elementos ósseos cremados do crânio remontados (Escala 1 cm; Priscilla Ulguim (c)).

No passado foram vistos como não significativos ou como uma prática funerária inferior em relação a inumação e aos remanescentes não queimados. Isso porque muitos acreditam que o fogo destrói os ossos. Uma visão bastante disseminada na arqueologia e de modo geral. É bastante frequente arqueólogos comentarem que não é possível inferir muito sobre aquele “monte de cinzas”. Isso não é verdade. Como disse Hertz, 1960, p. 46 “Longe de destruir o corpo, o fogo transforma o corpo”. Com o avanço das técnicas forenses, químicas e bioarqueológicas principalmente nos últimos cinco anos, muito se pode inferir sobre os remanescentes cremados. Se você quiser saber mais sobre essas técnicas e métodos aqui esta um capítulo que escrevemos recentemente (THOMPSON; ULGUIM, 2016). O fogo é um agente cultural e tafonômico e as alterações que ele induz nos ossos podem ser “lidas” facilmente por um especialista na temática dos ossos queimados. Contudo, por ser um tema difícil devido a natureza desafiadora dos ossos queimados, e pelo fato de não serem considerados por curadores e museólogos “atraentes” é muito comum que sejam negligenciados pelos arqueólogos, preteridos pelos bioarqueólogos e desconhecidos pela sociedade. Essa parte do artigo buscou discutir como a combinação de diferentes abordagens e métodos aliados a teoria da ritualização podem demonstrar a importância dessa prática e desses remanescentes.

A negligência dos ossos cremados é um grande problema na arqueologia e recentemente vem sendo repensada. Um bom exemplo dessa negligência que muitos conhecem ou já ouviram falar é Stonehenge. Um famoso sítio arqueológico que fica na Inglaterra. Esse sítio data do início do terceiro milênio antes de cristo. Foi um cemitério de cremações onde indivíduos foram depositados no interior de um círculo feito de pedras verticais conhecidas como pedras azuis (bluestones). Stonehenge teria sido fundado como um cemitério cerimonial onde membros de uma família distinta, provavelmente do País de Gales, teriam sido enterrados após sua cremação, e durante um período de aproximadamente cinco séculos. Para os pesquisadores, ao longo do tempo Stonehenge passou a ser um local de referência e vínculo com os ancestrais. Seus remanescentes humanos cremados escavados entre 1920 e 1926 não foram aceitos por quase nenhum museu na Inglaterra e foram reenterrados no sítio sem terem sido analisados em sacos de areia no ano de 1935 no Aubrey Hole 7, até que em 2008 foram reescavados e coletados para análise pelo Stonehenge Riverside Project.

aubrey_hole_7_plaque

Placa que acompanhava os remanescentes reescavados em 2008. Na placa detalhes de quando os ossos foram depositados no Aubrey Hole 7 após a recusa de museus (Fonte: Parker Pearson and SRP 2012).

Com esse exemplo buscamos aqui demonstrar que a cremação é um rito funerário complexo com múltiplos propósitos e que não constitui um ato final, e que não excluí o enterramento dos indivíduos.

“A cremação não é apenas uma, mas muitas práticas funerárias”(QUINN; KUIJT; COONEY, 2014, p. 5)

2. Há uma profundidade temporal significativa na prática ritualizada da cremação nas terras altas do Sul do Brasil onde repetidamente depósitos cremados foram depositados em aterros com anéis funerários.

A revisão da literatura aponta que a cremação estaria presente desde o século XI até o início do século XX, e claramente fez parte de uma importante prática ritualizada. Tal prática não parece apoiar a hipótese que propõe que o padrão de sepultamento entre os Jê meridional teria passado por uma transição de sepultamentos coletivos em grutas para enterros individuais em montículos. As evidências encontradas nos sítios arqueológicos não suportam essa hipótese, e pesquisas recentes apontam a presença não apenas de depósitos individuais, mas também múltiplos realizados sucessivamente com passar do tempo nas mesmas feições funerárias.

3. A abordagem etnobioarqueológica (Etnobioarqueologia) foi um importante aspecto desse trabalho.

Nesta parte investigo os relatos etnográficos e ethnohistóricos dos mitos/cosmologia dos Laklanõ/Xokleng, que não foram exploradas de forma tão pormenorizada como as do Kaingang ao discutirmos esses monumentos. Por isso escrevi especificamente sobre algumas cerimônias como o Waikômáng e o Ãgyïn. Pois acredito ser mais relevante para a discussão os temas em comum desses grupos do que quem cremaria os mortos. Esses seriam os três pontos que escolhi para falar neste post.

Ao esclarecermos alguns dos equívocos construídos ao longo do tempo sobre a cremação e a prática funerária dos Jê do Sul passamos também a melhor compreender o fenômeno da cremação nas sociedades ameríndias. Outros pontos como a percepção de uma boa morte, semelhanças e diferenças no registro arqueológico funerário, aspectos específicos das análises bioarqueológicas e dos remanescentes cremados e sua relação com a paisagem também foram discutidas no artigo. Espero que o artigo e o blog possam auxiliar na reconsideração dos rótulos atribuídos aos remanescentes cremados e a seu potencial informativo.

Bibliografia

Parker Pearson, M. and the Stonehenge Riverside Project 2012. Stonehenge: Exploring the Greatest Stone Age Mystery. Simon & Schuster: London.

Thompson, T. J. U. and Ulguim, P. 2016. Burned Human Remains. In Blau, S. Ubelaker, D. H. (eds.) Handbook of Forensic Anthropology and Archaeology. Second Edition. Left Coast Press: Walnut Creek.

Ulguim, P. F. 2016. O fogo e a morte: a cremação como prática funerária ritual. Habitus Goiânia 14(1):107-130. DOI: 10.18224/hab.v14.1.2016.107-130

Quinn, C. P. Kuijt, I. Cooney, G. 2014. Introduction: Contextualizing Cremations. In Kujit, I. Quinn, C. P. Cooney, G. (eds). Transformation by Fire: The Archaeology of Cremation in Cultural Context. University of Arizona Press: Tucson, pp. 3-22.

Leia mais sobre o projeto Jê Landscapes of Southern Brazil

Advertisements

Bonding over Bones: Crime Scene Science Field Trip to Saltburn

On Friday morning we ran our first year undergrad field trip for 30 of our new crime scene students and held a mock session on the beach at Saltburn.

We met at 09:30 near the Students’ Union to take the bus together. As we drove to Saltburn there was dead silence on the bus. Did I say silence? On a bus full of undergrads? Well, yes. Term is just about to start and one of the main reasons we run the trip is to help the new students get to know each other. It is also a chance to familiarise them with a crime scene scenario, and normalise the excitement of that experience in a fun environment. We all know that if you enjoy what you do you will be more likely to do it better, and having fun is associated with positive learning experiences. Working together in the open air in the beautiful coastal landscape is certainly a great start, and a good memory; after all everyone remembers their first undergrad trip – so a positive one is all the better.

We had set up the ‘crime scene’ on the beach and before we got started Professor Ian went down to double check everything was in place. This consisted of several ‘dead bodies’ (think anatomical replicas), completing the final health and safety review and ensuring all the equipment was ready to use. There were also some rather colourful spades and buckets for some fun team-building activities.

14600688_10207503579804042_1401665407_o

Taped-off: Part of the beach was off limits for the day (Priscilla Ulguim CC-BY-NC-ND 4.0)

When all was ready a large group of excited students headed down to the beach to learn about working at a crime scene. If you have ever have been to Saltburn you will know that are more than a few steps down the spectacular cliffs to beach below.  Along the seafront the peaceful expressions of dog-walking and coffee-drinking locals turned to surprise and curiosity when they saw us bearing down on what now appeared to be a crime scene – and then they realised that this was just a university outing.

At the scene Professor Mark outlined the main tasks for the activities and the ‘dos and don’ts’ of crime scene management: health and safety, marking out the scene, setting a walking path, photographing evidence, logging people arriving and leaving, which specialists to bring onsite, and the importance of the questions for each specialist, along with other standards for crime scene management and decision making.

We then split into four groups, each covering different activities which aimed to get the students to think about the practicalities of managing a crime scene, a theme which they will encounter throughout the course of their degree and professional careers.

My role as forensic anthropologist was to supervise excavation of the skeletal human remains and explain best practices for recording crime scene contexts containing human remains. For this I was carrying some standard archaeological kit: tape measures, scales, buckets, trowels, finds trays, skeletal recording sheets, forensic protocols and my favourite field guide, and of course the skeletal casts which were by now already buried below the sand, along with some animal bones scattered about to complicate identification.

The students excavated in pairs, with the goal of taking notes and filling in a basic recording sheet. I clarified the role of forensic anthropologist and archaeologist to them, and described how to record the scene, including the necessity of opening a clearly defined trench, taking measurements, and how context is vital, not just the bones themselves.

I also outlined how we can read the bones to explore individual biographies using processes for identifying age, sex and recording pathologies, traumas, cut marks, as well as taphonomic changes. Each supports the main goal in these situations: identifying the individual and evidence of the perpetrator. The conversation encouraged the students to consider the questions to ask themselves regarding remains in-situ. As they excavated we discussed the findings, and their interpretations as to whether the skeleton was articulated, disarticulated, and if the remains were commingled, which got us talking about depositional processes. We also touched on other methods that could be applied, including digital recording methods and analytical techniques, and ethical points such as the importance of respect for human remains.

The students appreciated the hands-on scenario, and they kept digging until I had to stop the last group as the tide rolled in (we discussed how to manage that type of situation on excavation too!).

14536849_10207503579764041_187599801_o

Teamwork! Excavating the mock grave (Priscilla Ulguim CC-BY-NC-ND 4.0)

After a lunch of fish and chips at a lovely local pub, and an ice-cream (it was a beautiful sunny day). We ran a quiz on the biggest myths about forensics and Saltburn’s top attractions. At the end of the day we returned to the top of the hill to catch our bus and we announced the quiz winners who won some very special Haribos of their choice. There was an excited and happy atmosphere on the return journey, chatting, laughing about the day and taking photos. So, goals met, the team bonded over the bones, and had a thought-provoking experience in the field. I had a great time and hope our students did too. Thanks to Professors Ian and Mark for the welcome and helping me out with the scene setup.

14599703_10207503580164051_1451812120_o

A good beach trip always involves ice cream (Priscilla Ulguim CC-BY-NC-ND 4.0)